sábado, 28 de janeiro de 2012

POR QUE SER ATEU?


Ninguém, necessariamente precisa crer na existência desse Deus concebido pelos cristãos para tornar-se uma pessoa boa. Isso é fato. Embora seja preciso alertar que para muitos, cujo nível de ética não alcança ainda o ideal para garantir um convívio humano honesto, justo e solidário entre os seus, a religião é a única porta de entrada para sensibilizar a sua alma. E, nesses casos, tirando-se isso dessas criaturas, sem nada mais sólido para repor e garantir a mesma eficácia comete-se um crime tão cruel quanto o de deixar órfão e desamparado uma criança que acaba de vir ao mundo.

Que valia tem para mim, questionar a ignorância dos que acreditam em Deus, simplesmente pelo fato de não haver tecnicamente provas da sua existência, quando eu próprio prego com fervor a minha crença de que não existe Deus algum, sem, da mesma forma, ser capaz de apresentar respostas para muitos questionamentos pressentidos nas experiências humanas?

            As questões existenciais que afligem a nós, os seres racionais, nos acompanha desde que teve inicio a nossa evolução para nos tornarmos humano. Fazemos da nossa pequena existência particular, de pessoa comum, e a daqueles que convivem conosco, algo tão importante que é difícil crer na ausência total de uma razão especial para esta vida que não seja simplesmente a de nascer fadado a morrer com se nunca tivesse existido.

Pensar que tudo foi criado sem nenhuma motivação é tão difícil de acreditar quanto ao contrário, se passarmos, por exemplo, a avaliar na inteligência que há na programação da própria evolução da espécie humana. Quando começamos também a observar na perfeição matemática dos ciclos da natureza; na tecnologia avançada do cérebro humano e de todo o funcionamento da máquina que há por baixo desse revestimento de carne, percebemos ser tudo tão incrível que fica difícil despirmo-nos de toda a sensibilidade e da própria razão para afirmar categoricamente tratar-se apenas de uma evolução sem propósito nenhum.

Longe de mim ser uma religiosa. Não sou esta. Não defendo a adoração e a veneração de um Deus. Até porque, aos que defendem a existência de um Deus pai perfeito, cabe indagar que perfeição é essa quando este “ser” que pregamos prefere ser exaltado orgulhosamente acima de seus próprios filhos? Sabemos que até nós humanos, imperfeitos que somos, quando verdadeiros e amantíssimos pais, com certeza não nos sentimos confortável diante daqueles que ignoram o valor dos nossos filhos atribuindo somente a nós, os pais, a honra e o mérito por todas as coisas.

Na minha total ignorância, eu creio. Creio em um Deus todo poderoso que não está no céu, mas que existe em cada ser humano numa ligação profunda que foge ao meu alcance a compreensão de tal. Todavia, acho impossível conceber que somos frutos do acaso e que todo o esforço que cometemos para evoluir quando passamos por essa existência é com um propósito unicamente de vaidade ou de bem estar próprio, passageiro e efêmero.

Coloco na mesma balança de intolerância os crentes e os ateus.Prefiro a ignorância dos que não se conformam com dogmas e, embora admitindo o limite da sua compressão, buscam constantemente respostas, à ignorância dos “sábios” alienados proclamadores de crenças que se empenha em derrubar todas as outras se elevando como a única e verdadeira. Seja esta crença na defesa ou na negação da existência de Deus. 



12 comentários:

Clemenson Costa disse...

A existencia de um deus cabe a dois motivos:1, sua necessidade de crer em algo. 2, sua total rejeição. Pois primeiramente deixamos de acreditar nas promessas das religiões, após isto, seguindo com questionamentos, pensamos na possibilidade da existencia de um deus e o questionamos, após tais quesitionamentos é facil saber porque não crer em um deus, no final, não irá acontecer nada, se eu crer ou não crer.

JCorlettbr disse...

Há um certo equívoco em relação ao ateísmo.

Muitos vêem como uma forma de crença ou ao menos uma ideologia a ser seguida, mesmo entre pessoas que se consideram ateias.

É preciso entender que o ateísmo é apenas a denominação inevitável que se dá á falta de crença em um ou mais deuses. Pronto. Não há mais nada a se caracterizar.

dizer que ateísmo é uma forma de crença, é como se dissesse que o frio é uma forma de energia térmica quando é apenas a denominação(veja bem a de-no-mi-na-ção)que é preciso dar (para auxiliar no entendimento) para a falta de energia térmica.
A paz é um termo que inevitavelmente é preciso dar para denominar a falta de violência.

Então quando alguém se diz ser ateu, não quer(ou pelo menos não deveria) inserir um ideologia, deveria mostrar que não adere aos conceitos dados à existencia de deus/deuses.

JCorlettbr disse...

Sobre ser difícil não acreditar que a complexidade que vemos na natureza surgiu ao acaso:

Todo cientista ou naturalista, ou seja, aquele que consegue compreender o surgimento, funcionamento e desenvolvimento dos fenômenos naturais deveria se engajar na esclarecimento e desmistificação dos processos naturais para que as pessoas pudessem entender como realmente o fenômeno se apresenta, surge e desenvolve.
Nada surge ao acaso do nada. Nenhum cientista respeitável afirmaria isso. é um impossibilidade física dizer que onde havia o "nada" aparece o "algo".
A palavra acaso é um consenso para afirmar que aconteceu um fenômeno sem o conhecimento dos fenomenos geradores anteriores.
Um fenômeno + outro gera um terceiro.
O que ateus afirmam (muitos baseados na forma mais confiável, a ciência)que não há nenhuma informação de que um ser consciente teria produzido a complexidade que vemos.

Todos os ateus sinceros, com certeza passariam a crer se alguma evidência se mostrasse para a existência de um ser divino. Mas até agora... nada.
é a posição mais respeitável que se pode ter. Só acreditar quando se obtiver, ao menos, alguma informação confiável.

Todos, crentes, fundamnetalistas, agnósticos, etc, fazem isso cotidianamente para tudo, desde conversas descontraídas a negócios importantes. Os ateus apenas adicionam esse raciocínio ao assunto "Deus".

JCorlettbr disse...

Sobre esse trecho do texto: "Na minha ignorância eu creio":

Pude notar que a sua visão quanto a Deus é a mais bela de todas as noções. Em vez de ser a noção teísta onde Deus demanda obediência e submissão é uma visão onde o divino está impregnado na matéria, como uma energia que mantém coesa a existência. O chamado Panteísmo.

Confesso que passei um bom tempo com essa concepção. Senti muito conforto nela.

Mas da mesma forma que eu não tinha como ser sincero comigo sobre a concepção teísta, cheia de falhas e sem evidenciação, não podia ser também quanto a bela concepção panteísta e cheia de belezas conceituais. Ambos infelizmente caem no poço das idéias sem conexão com a verdade.
Sim, a verdade.
Ela pode variar na nossa mente, de acordo com o nível de entendimento que temos dela. Mas ela sempre será imutável. Não há como mudar a verdade. Um conceito, mesmo que muito mais digno e belo ainda é sujeito a não ser a verdade. Apenas a verificação mostra-se como caminho para ela.

Mas como a vida e o universo podem ser belos sem esse conceito de Deus tão belo e harmônico?

A vida e o universo apenas são. Nós vemos a beleza. Nossa configuração para os sentidos mostram isso como belo. E por quê não aceitar isso assim?

Existe o sofrimento assim como existe o prazer. Discriminemos, nós o que é feio do que é belo.

Podemos não ter uma força a nosso favor mas sabemos o que está para ser real do que não. O coala ou a eletricidade têm como serem reais pois vemos evidências deles, já o pégaso ou o mana, não têm a mesma evidenciação.

Assim eu digo: Na minha ignorância eu não assumo nada, e construo a minha noção da realidade a partir das informações que surgem e análises que eu faço do mundo.

Néia Lambert disse...

Ivana,a vida seria muito vazia se não acreditássemos num poder maior que nos faz fortes nos momentos mais difíceis ou dá brilho ao nossos olhos quando a felicidade bate à porta. A cada dia que passa sinto que as religiões perdem o sentido pelo fanatismo ou imposições, não quero defender a minha igreja, ela também é falha em muitas questões e nem é melhor que as outras. Penso que a minha relação com Deus é intensa, não apenas quando estou dentro de algum templo, mas quando acordo e vejo os primeiros raios de sol brilhando na minha janela, ao lembrar da inexplicável perfeição e funcionamento do corpo humano, dos mais incríveis sentimentos que embalam meu coração. Acredito que muita gente carrega a dúvida da existência de Deus, pois o procura nos lugares mais difíceis, sendo que Ele está, escancaradamente, nos detalhes mais simples.

Beijos

FJavier disse...

Interesante y sabia reflexión, Ivana. Me uno a tus pensamientos y creo también en la bondad de un dios que está dentro de cada ser humano. Gracias por tu afectuoso y enriquecedor mensaje, tan cargado de esperanza. Un cordial abrazo.

Francisco Martins disse...

Eu creio em Deus e tenho um ralacionamento com Ele, tal qual pai e filho. Não o vejo como um ser inatingível. Vive dentro de mim, pois sou fruto de sua criação e vive também fora, pois tudo me fala dele. Suas palavras, eternas e jamais desvalorizadas, são presentes em cada página que Ele mesmo teve o cuidado de escrever, a Bíblia. Todas as vezes que encontro ou tenho algum relacionamento com alguém que diz não acreditar em Deus, eu sinto e percebo que no íntimo ele é pobre da maior riqueza que é a fé.

Nicholas Fernandes Gimenes disse...

Excelente texto Ivana, gostei muito. :)

vovo cibernetica disse...

Ivana esse texto tem muito o que se comentar.Amei o comentario do Francisco Martins. Concordo com ele, quem não crer que existe Deus é pobre da maior riquesa ,fé. Não existe prova maior da existencia de Deus do que o limite das aguas do mar. Quanto a desumanidade que existe no mundo não é culpa de Deus e sim de quem a pratica com o livre arbitrio que Deus lhe deu. Mas continuo sua fã . Um gde abraço

Remédios disse...

Oi amiga linda!
Muito bom seu texto, bem polêmico , questionador...enfim é assunto discutido desde os primordios da humanidade. Eu não posso dizer que sou uma pessoa religiosa mas acredito na existência de algo superior, divino, sagrado...uma energia talvez que nos anima outros chamam de Deus, Deuses, entidades ou apenas energia vital... não sei pois são tantas as denominações.Mas gosto de ter essa fé tanto nessa força maior (Deus)?, como nas energias boas que movem o ser humano a seguir enfrente na labuta diária.Na energia que me anima para a vida, para os bons sentimentos que fluem do ser humano e se é Deus, então prefiro sentir que estar em todo ser, em todos lugares e em todas atitudes boas ou não. Acredito nas pessoas, no amor, na amizade e acho que se ELE existe mesmo então ELE é e está em tudo isso. Sei que tudo teve um princípio mas não sei e não tenho base pra afirmar que foi como dizem...um dia saberei...quem sabe? rsrsrss. Quando a criança voltar à casa paterna? Um grande bj em seu coração.

Lucas Filho disse...

Vamos lá:

A primeira coisa a fazer é responder a pergunta: Porque não acredito em Deus?
As respostas mais comuns a este questionamento são:
01 - Porque não o vejo;
02 - Porque não há provas físicas de sua existência?
03 - Não há provas históricas/ arqueológicas - já que nas escolas o universo vem do acaso;
04 - Sofri uma grande perda - morte de alguém muito querido que era uma boa pessoa, então por que Deus levaria ele e não o "Fernadinho Beira-Mar?;
05 - Li a Bíblia e não me convenci de seus escritos.

Respostas as indagações:
01 - Deus não é para ser visto é para ser sentido. Você ver o amor? Ver a esperança? Ver o ódio? Não você até consegue visualizar ações que transmitem a ideia destes sentimentos mas não os sentimentos em si. Então por que você não os vê eles não existem?

02 - Albert Einstein, o maior físico do século XX, admitiu: " Para mim basta…meditar na maravilhosa estrutura do universo a nós vagamente perceptível, e tentar compreender humildemente nem que seja uma infinitésima parte da inteligência manifesta na natureza."
Uma bactéria se movimenta dentro do seu meio desviandiamo-se de outras. Parando, mudando de direção, assim como nós "seres dotados de inteligência" fazemos. Se cortar um "fio de cabelo" de forma transversão, neste corte caberão milhares dos "cérebros/cabeças" destas bactérias. Poderia o acaso criar algo tão complexo assim?

03 - Estas servem: http://www.arqueologiadabiblia.com/

04 - Deus não disse que neste mundo não teríamos aflições. Por acaso o seu ente querido é imortal? Claro que não, então se nascemos então morremos. O dia dae cada pessoa pode ser resumida no livre-arbitrio. Quem quiser morrer hoje, que pule de um prédio, a decisão é nossa, entretanto o que nos mantem vivos?

05 - Ler a Bíblia é para os fracos. Se for uma Bíblia comum nada poderá lhe acrescentar. Agora se ler uma Bíblia comentada, ter um conhecimento ou fontes históricas e geograficas, ter bíblias em outras línguas traduzidas do aramaico e grego no mínimo, depois de ter lido a Bíblia com todos estas fontes de pesquisa juntas, e não passar a acreditar em Deus, bem ai sim, você pode se tornar um" mal necessário".

Em meu blog falo sobre a Bíblia de forma histórica. A segunda edição trata da criaçãodo universo e a última da série trata de Jesus Cristo histórico. Leia a primeira edição da revista e depois conversamos.

Acesse: http://revistaevangelico.blogspot.com/p/revista.html

Paulo disse...

Nossa gostei mto do seu texto, tenho uma opiniao parecida com a sua. Parabens por expressar tao bem suas ideias. Abraço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...